fbpx

Intercâmbio e a busca por mais carimbos no passaporte

Intercâmbio e a busca por mais carimbos no passaporte

DublinQuem nunca na vida sonhou em fazer um intercâmbio? Seja de estudo, de trabalho ou até mesmo os dois juntos. Até pouco tempo essa era uma realidade um pouco distante da maioria das pessoas. Muitos pensam que existem outras prioridades ao invés de fazer intercâmbio e para alguns ainda é/era considerado um luxo.

A carteira de motorista. O primeiro carro. A independência financeira. A saída da casa dos pais. Sonhos que antes permeavam a cabeça dos jovens, hoje já não fazem tanto sucesso na atual juventude brasileira. Antenados e focados em viverem novas experiências e buscar fluência em algum idioma, principalmente o inglês, cada vez mais eles têm investido o seu tempo e seu dinheiro em viagens de intercâmbio para o exterior.

Muito além de uma demanda do mercado profissional, a experiência de uma viagem internacional proporciona a jovens e adultos vivenciarem novas culturas, conviverem com pessoas de realidades socioeconômicas diferentes, entender
melhor o ponto de vista e como vivem outras sociedades, ganhar conhecimento de mundo,abrir a mente para coisas que antes eram desconhecidas, além de sair da rotina.

Cable Car Bahn in Wellington, Neuseeland

Cable Car Bahn in Wellington, Neuseeland

De acordo com dados da IE, agência especializada em educação internacional e carreira, a procura por intercâmbios entre jovens entre 18 e 25 anos cresceu 22% nos últimos 12 meses, reforçando a tendência da procura por opções para alavancar a carreira e impulsionando o mercado. “Se com a crise as pessoas cancelam viagens internacionais, no segmento de intercâmbio a necessidade pela qualificação aumenta, com a motivação de investir no futuro ao invés de comprar um carro que não garante uma colocação melhor no mercado de trabalho”, relata Marcelo Melo, diretor da empresa.

Nos últimos dois anos a agência vem sentindo um aumento nas vendas de pacotes de diferentes formatos para um mesmo cliente. O perfil desses intercambistas se modifica de acordo com a sua idade, foco, situação acadêmica/profissional  no momento em que vão planejar a sua viagem. A primeira viagem de intercâmbio costuma ser por cursos de idioma que resolvam a necessidade de falar inglês. Com o passar do tempo, as expectativas vão mudando e o foco passa a ser a qualificação técnica na área de atuação, para assim fortalecer e impulsionar seu currículo.

Os cursos de idioma possuem carga horária a partir de 15h semanais, com duração a partir de uma semana, para destinos como África do Sul, Austrália, Canadá, Estados Unidos, Inglaterra, Irlanda, Malta e Nova Zelândia e que podem ser combinado ainda com outros interesses: trabalho temporário, ações culturais, aprendizado acadêmico ou aulas técnicas. Para as pessoas que buscam uma universidade para graduação ou pós, o sonho costuma ser permanecer legalmente no outro país, o que é comum em países como o Canadá. Para quem tem planos de menor duração, além dos cursos de idiomas, têm voltado a sua busca por obter uma especialização em sua área de atuação ou um inglês técnico, atendendo exigências do mercado de trabalho.

Old port of Montreal early in the morning during fall season

Old port of Montreal early in the morning during fall season

Após a alta do dólar, de acordo com a  IE, a procura pelo Canadá, que já era um destino bastante procurado, cresceu 39%. Já a Austrália, teve um crescimento de 21%.  A Nova Zelândia, que tinha uma procura mais tímida,  passou a ser mais procurada e aumentou 14%. Malta não ficou de fora e fechou o ranking com 12% a mais de intercâmbios fechados.

Então o que se percebe é que com o passar do tempo, jovens e adultos estão cada vez mais dispostos a deixar para trás sua rotina no trabalho, família e amigos para embarcarem numa nova experiência de intercâmbio. Seja para aprender um novo idioma ou qualificar-se melhor na sua área de trabalho.

A busca por mais carimbos no passaporte pode ser muito mais valioso que um carro novo na garagem ou  último modelo do iphone. Tem quem valorize isso e não critico, mas há muitos que, assim como eu, estão valorizando muito mais a experiência de viver fora, de conhecer coisas novas, de qualificar-se e viver a vida e não apenas ter bens materiais.

Bom, eu escolho ter mais carimbos no passaporte e você?

beijos

Nathy

Sobre o Autor

Nathy administrator

Turismóloga pela UFF, Mestre em Turismo pela Universidade de Évora, Portugal. Coach Intercultural. Mora fora do Brasil desde 2014, já tendo morado na Irlanda e atualmente em Portugal. Visitou 20 países. Ama viajar e trocar experiências de viagem. Conhecer o mundo e novas culturas é o que a motiva. Descobriu que melhor do que isso tudo é compartilhar essas aventuras pelo Mundo com amigos queridos.

Não há comentários até agora

Lídia SaraivaPostado em12:19 pm - nov 11, 2015

Eu também escolho muitos carimbos no passaporte, e espero um dia poder conquista-los, quero muito conhecer gente nova,ver coisas diferentes! e desejo que seu passaporte transborde de tantos carimbos,e sua vida transborde de lindas experiências. Beeeeijos

Marta AraujoPostado em6:02 pm - nov 11, 2015

Hey!
Creio que o intercâmbio já deixou de ser um grande diferencial no currículo. Muitos com quem tive contato e fizeram intercâmbio para aprimorar a língua não relatam ter colhido tantos frutos no âmbito profissional.
Agora, acho que fui enquadrada no grupo que você carimbou de “mentalidades materialistas” no outro post. kkk
Reconheço a importância de novas experiências, mais acima de tudo, acho mais importante construir uma vida com bases sólidas e nos meses de férias me aventurar pelo mundo. A gente nunca sabe o dia de amanhã e devemos pesar as consequências dos nossos atos. Tipo, posso estar andando de camelo pelo deserto, levo uma queda e fica incapacitada permanentemente para o trabalho. Se não tenho um trabalho formal logo não terei meus direitos trabalhistas. Fico na pista. Está me entendendo? rs Claro, que estou sendo pessimista mas pode acontecer.
E você poderia me esclarecer esse desejo enorme de busca pela liberdade e de se conhecer. rs Eu não entendo isso. Talvez tenha uma mente limitada mas o fato é que nossa querida Eva desejou tanto ter “conhecimento” que lascou com todo mundo. Eu poderia estar de boa no jardim do Éden agora =^.^= lol
Diná, filha de Lia, também desejou conhecer o que havia além de sua zona de conforto (Gênesis 34) e certamente se arrependeu. São exemplos de mulheres bíblicas e que podemos aprender com seus acertos e erros. Calma, não estou dizendo que não se pode viajar nem nada disso. O que quero dizer é que a verdade é só uma. O único que pode nos preencher por completo é Deus. Ele é o único que nos mostra nossa verdadeira identidade. Não são viagens, carros, casas, culturas novas, somente Deus. Por fim, tudo isso é passageiro. Só Jesus é eterno. E como diz C S Lewis “Tudo que não é eterno, é eternamente inútil.” E não é uma crítica e nem nada disso. É que esse post me fez pensar. Geralmente, visito sua página e sigo =) Mas talvez estejamos focados demais nesse mundo, o amando em demasiado. Pois o Senhor nos diz em 1 João 2:15 que não devemos amar o mundo ou o que existe nele. Nosso propósito na terra é outro. Mas será que estamos cumprindo nosso chamado ou apenas focando em nossas próprias conquistas terrenas? Tenho pensado muito sobre isso nesses últimos dias. O que acha?

E aconteceu de novo… um pequeno testamento. lol
E de certo, não consegui passar com clareza meus pensamentos. Sorry.
Beijos

    Nathy GomesPostado em12:47 pm - nov 12, 2015

    Oi minha linda, que bom que escreveu, eh sempre bom podermos bater um papinho e saber o ponto de vista do outro. Vamos la para a minha opiniao. Em relaçao as pessoas colherem frutos na vida profissional eh mt relativo como em tudo na vida, eu, diferente de vc, conheci muita gente aqui em Dublin que fez intercambio aqui e ja voltaram e MUITOS deles estao colhendo os frutos do intercambio. Porem, por mais que nao colham na vida profissional, creio que eh impossivel nao colher na vida pessoal, porque eh um aprendizado morar fora, sem os pais, com pessoas diferentes, num lugar diferente e etc. Acho dificil nao voltar com uma visao mais aberta e diferente em relaçao as coisas.
    Quando falei de pessoas materialistas nao falei no lado negativo, tem gente que realmente gosta e eh feliz assim, so trabalhando para ter casa, carro e esta bem. Mas para outras nao, isso nao eh suficiente. Alguns preferem sair um pouco da zona de conforto e ver o mundo, ver que tem gente como a gente, que tem gente pior que agente ou ateh melhor. Eh aprender mais sobre o proximo e nos mesmos, conhecer suas limitaçoes como pessoa que vive sozinha, que trabalha muitas vezes nao no que gosta, que se desafia todo dia para entender e melhorar no ingles etc.
    Sobre ter novas experiencias e base solida. Sim, acho super justo e importantissimo ter uma base solida, mas para ter isso nao precisa abrir mao de ter novas experiencias, esta entendendo? Como todos sabemos a vida eh passageira e muuito rapida, com eu disse tem gente que eh feliz (ou muitos nao mas tem medo de tentar mudar) e prefere levar a vida na rotina, na infelicidade…trabalhar horas por dia, enfrentar 3 horas de engarrafamento, viver com o medo de nao voltar para casa sao e salvo e etc, mas ter a casa e o carro garantidinhos la. Hoje, depois de morar esse tempo fora eu vejo que podemos sim ser feliz no pouco, claro que dinheiro e ter base solida eh super importante, ainda mais se quer ter uma familia que eh o meu caso. Mas porque nao enquanto sou jovem nao disfrutar um pouco daquilo que Deus nos deu para ser aproveitado. Conhecer pessoas novas, culturas novas, lugares novos. Isso eh o mais importante da vida? De jeito nenhum, mas para quem quer conhecer um pouco de si e do mundo, saber que no mundo tem muita gente diferente, mas isso nao quer dizer que sao piores ou melhores, eh aprender com eles (muitas culturas tem muita coisa boa que podemos tentar usar) ou mesmo ver o que temos de melhor e agradecer por isso. ( como em muitas religioes arabes as mulheres sao tratadas como um nada). Enfim… andar de camelo nao mudou a minha vida, ainda quero ter uma vida mais estavel, mas enquanto luto por ela eu tento aprender mais dos outros e de mim, por exemplo aquela experiencia me fez pensar em como deve ter sido duro viver tantos anos no deserto como Moises na biblia, 1 dia nao foi facil, imagina anos. Sao experiencias que nunca imaginei ter, mas que acrescentam alguma coisa na minha vida e me faz refletir, a ser mais grata pela comida que tenho, pela casa que tenho, pela familia que tenho.
    Bom, sobre esse desejo de liberdade e de se conhecer….eu nunca tive esse desejo, ateh antes de vir eu nunca quis morar fora, mas como a oportunidade surgiu eu aproveitei. Mas, como eu ja mencionei antes…muita gente vive naquela situaçao de imposiçao de que a vida eh estudar,arrumar um bom emprego, casar, ter casa, carro, cachorro, filho e morrer. Bom, como tbm ja mencionei para muitos isso eh mais que suficiente e sao super felizes, otimo! MAs para outros so isso nao eh suficiente, eles querem conhecer um pouco mais das coisas e nao ter uma vida limitada a aquele espaço, nem que seja por um curto espaço de tempo. Nao estou falando de fazer coisas ruins, que nao agrada a Deus, estou falando de sair mesmo para conhecer, explorar, conhecer suas limitaçoes como pessoa, pq muitas vezes na sua zona de conforto vc nao passa por situaçoes que passaria num intercambio ou viagem e quando passar vc ja sabe como lidar com isso. Acredito que para muitos jovens, essa pode ser uma preparaçao para as responsabilidades e vida de adulto. Claro, muitos nao sabem usar essa oportunidade e usam para coisas ruins, se envolvem com coisas e pessoas erradas e sim, lascam com tudo, com todos e consigo mesmo, mas quem sabe aproveitar para o seu bem colhe bons frutos.
    Sim, eh verdade o que disse. Deus nos preenche e nos da a verdadeira felicidade e sim tudo eh passageiro. Mas ele eh um pai tao bondoso que nos deu um mundo lindo, construiu tanta coisa maravilhosa e porque nao apreciar com nossos proprios olhos a grandeza das coisas de Deus se assim tivermos oportunidade? Podemos ter uma vida reta, focada em Deus e suas coisas, mas viver enquanto estamos nesse mundo da melhor maneira que julgamos ser.
    Espero ter passado com clareza meus pensamentos rs
    Obrigada por compartilhar os seus comigo mais um vez. 🙂

    beijooos

martaaraujoPostado em3:01 pm - nov 12, 2015

Nathy e seu dom com palavras. Quisera eu ter o mesmo. rs
Quando citei as pessoas que não colheram os frutos profissionais, me referi àqueles com bacharel em turismo com os quais tive contato. Talvez o fato de um intercâmbio ter se tornado cada vez mais acessível, talvez já não seja um GRANDE diferencial. E não discuto o crescimento pessoal. Isso é outra coisa. Uma coisa que a pessoa leva somente para si. Uma coisa que me chamou atenção foi você dizer “pq muitas vezes na sua zona de conforto vc nao passa por situaçoes que passaria num intercambio ou viagem e quando passar vc ja sabe como lidar com isso.” Bom, todos temos que passar por determinadas situações e teremos que aprender a lidar com elas. Independe se você aprende em um intercâmbio ou fora dele. Quero dizer, em algum momento vamos ter que aprender. Compreende o que digo?

Mas eu entendo seu ponto de vista e respeito mas continuo a pensar da mesma forma. E isso é lindo. A divergência de pensamentos. O mundo seria chato sem ela. Só pra esclarecer, não estou recriminando o “apreciar as maravilhas de Deus com os próprios olhos”. Eu mesma, sou louca para ver com meus próprios olhos a cidade de Positano, na Itália. E quem sou eu para dizer se isso é certo ou errado? E quem sou eu para julgar algo ou alguém? Só o Senhor quem o pode fazer. Aquele que observa atentamente seus filhos. Eu, nada sou além de uma pecadora. E Ele é tão misericordioso que nos deixou o manual de como se viver a maneira dEle: a Bíblia. É através dela que reconheço tudo o que vai mal em mim. E o quão miserável sou.

Assim como você, também creio que é possível sim ser feliz no pouco.
Essa experiência sua no deserto certamente faria qualquer um reconhecer a sua pequenez diante do Criador do mundo. Somos como a relva do campo, um dia estamos e no outro não.
Para finalizar, acredito que vivemos em uma sociedade intoxicada: onde satisfazer nossos sonhos vem acima de tudo. Somos estimulados a lutar por aquilo que queremos desde muitos novos.
Recentemente, observei que o meu foco ao estudo estava se tornando um ídolo na minha vida. Vivia para aquilo, sacrificava até mesmo meu relacionamento pessoal diário com Deus. Não posso ir a igreja pois tenho que estudar, dizia eu na minha ignorância. Endureci meu coração. E como é difícil reconhecer isso. Que algo está tomando o lugar que é devido a Deus. Mateus 6:33 diz “Portanto ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas.” Inconscientemente dizia a Ele “não me importam Tuas orientações ou os Teus padrões. Vou viver a minha maneira.” Mas as escamas que cobriam os meus olhos caíram. Não creio que esse seja o seu caso (que os anjos digam amém), só quis compartilhar mesmo.
Que possamos sim desfrutar das maravilhas e oportunidades que Deus nos concede mas com sabedoria e com domínio próprio. E que possamos espalhar o amor de Deus onde estivermos. Somos chamados para ser luz nas trevas.

Então é isso. Da próxima vez, exponho meus pensamentos via skype kkkkk
Um beijo minha linda =)

Deixe uma resposta

Saiba como Morar no Exterior e ter um planejamento de Sucesso! Material GRATUITO!Acesse Aqui
+